top of page
  • Foto do escritorValdir Steuernagel

No princípio... Deus

No princípio Deus criou os céus e a terra (Gênesis 1:1)


Quando eu "descubro" um texto bíblico, eu sei, acabo sendo bastante previsível e fico com um mesmo texto por muito tempo. Mas o fato é que nesse encontro e reencontro com a sua palavra, Deus nos convida para uma contínua primavera, quando a natureza explode em vigor e cores. Quem me acompanha na Ultimato já percebeu também que sou um contador de histórias. Ao olhar para histórias da nossa vida, é bom ver como elas se relacionam com certas histórias bíblicas e com a sua grande narrativa, na qual encontramos o sentido da própria vida. Hoje convido a iniciarmos uma conversa com o relato bíblico da criação e a fazermos dessa conversa uma jornada rumo à intimidade com Deus e à descoberta da nossa própria humanidade e vocação gregária, bem como do valor, necessidade e possibilidade de uma cidadania que busque a construção de uma sociedade justa, bonita e real.


Encontrar-me com o relato da criação como expresso em Gênesis 1 e 2 tem sido uma aventura fascinante. Não porque lá eu tenha encontrado o que lá não está (detalhes científicos quanto à origem do mundo), mas porque ali nos deparamos com Deus como Ele é e com o seu jeito de fazer as coisas de forma inteira, integrada e bonita. Lá nos encontramos, ainda, com a afirmação de quem nós somos, a quem pertencemos e para que existimos.


No princípio é Deus!

O relato da criação é como uma grande peça teatral que, em diferentes movimentos e momentos, leva-nos ao encontro do próprio autor da peça: Deus. Tanto na narração mais ampla como nas especificidades criadoras de cada dia, vemos um Deus que cria com discernimento e integração, sentido de celebração e descanso. Assim Ele vai se dando a conhecer e percebemos que, em sua natureza, Ele é amor. Deus se revela porque ama. Deus cria porque ama. Deus descansa porque ama. E em amor Ele celebra a sua própria criação. Ao abrirmos a Bíblia deparamo-nos com Deus em ação reveladora: "no princípio Deus criou..." Ao procurar descortinar o princípio de todas as coisas nos deparamos com Deus. Ao acompanharmos, dia a dia, a seqüência e o encadeamento da criação encontramos a Deus. Ao observar o detalhamento e especificidade da criação do ser humano, como homem e mulher, vê-se Deus colocando a semente da eternidade em cada um, como um convite a que se veja o que se deve ver: Deus. E ao chegarmos ao sétimo dia somos surpreendidos pelo próprio Deus que, com um grande sorriso, descansa e nos convida a descansar para descobrir a essência da realidade: Deus.


Assim, em cada momento do grande e primeiro relato da criação, vamos ouvindo essa voz dizendo que não estamos sozinhos nem abandonados em meio à narrativa da nossa própria vida, pois no princípio está Deus e no fim está Deus. Ele está lá, no início e no fim de cada dia e na passagem de cada gesto criador. Deus é tudo para todos e Deus está em tudo e em todos. Sem Ele nada existe e sem Ele ninguém é. Deus é e por isso nós somos!


Soli Deo Gloria!


Conhecendo a Deus sabemos quem somos

Em cada novo movimento deste cenário criador vamos recebendo a revelação de quem Deus é e de quem nós somos. Somos produto do seu amor, fruto da sua ação reveladora e contemplados com a graça de ser criados "à sua imagem e semelhança". O momento passa a ser especial. A descrição torna-se mais elaborada! O número de palavras aumenta e o cenário se expande. Como anteriormente, Deus emerge na palavra --"disse Deus"-- mas sua presença é majestática. Agora Ele diz "Façamos" e a própria Trindade ocupa o cenário, como que em preparação para o significado da criação que virá a seguir. Uma criação que se fará à imagem do próprio Deus. E é assim que o homem e a mulher aparecem em cena. Eles nascem segundo a imagem da própria Trindade. São criados em relação um com o outro, pois como homem e mulher são criados e se destacam ao receberem de Deus a bênção que os saúda e os afirma. E logo em seguida são convocados a participar do gerenciamento da natureza criada. E nós, assim como eles, somos fruto da ação criadora de Deus e marcados pela bênção divina que coloca em nós a semente da eternidade. Nossa dignidade reside no reconhecimento de que somos o que somos pela vontade absoluta de Deus e só encontramos o real significado da nossa vida na medida em que reconhecemos quem nos criou, que fomos criados um para o outro e que temos o privilégio de participar do gerenciamento da natureza. Paulo, ao falar para os "varões atenienses" e estrangeiros presentes no Areópago, reflete isso ao dizer que "nele vivemos, nos movemos e existimos; como disseram alguns dos poetas de vocês: ‘Também somos descendência dele’” (Atos 17:28 ).


Assim, não há existência fora da realidade de Deus. Não há criação fora do universo da sua palavra, e todo o sentido da vida deriva do reconhecimento de que somos fruto do amor e da ação de Deus e que só nele encontramos a razão da nossa existência. É por isso que podemos afirmar que é conhecendo a Deus que passamos a reconhecer quem somos.


Vamos continuar a conversar, nos próximos artigos, sobre essa criação de Deus e a marca com a qual Ele dignifica nossa existência. Mas aqui eu queria convidar ao reconhecimento de que você e eu, assim como a criação inteira, somos fruto do amor criador de Deus. Nós somos porque Deus é. A nossa existência está marcada por seu amor e o significado da nossa vida deriva desse reconhecimento. E assim, sabendo quem somos, fica mais tranquilo e seguro saber como viver: viver em harmonia uns com os outros, ser co-partícipes do gerenciamento da natureza e seus recursos e fazer da nossa vida um palco para a proclamação da glória de Deus.


Soli Deo Gloria!

-

Publicado originalmente na Revista Ultimato, ed. 340

bottom of page